"A vitória brilhará àquele que tímido ouse". Agostinho da Silva
Segunda-feira, 30 de Dezembro de 2013
“A César o que é de César”

Ao aproximarmo-nos do final de 2013 é inevitável fazermos um balanço do ano que passou e avançarmos com algumas previsões para 2014, certeiras ou não o tempo o dirá.

 

Sabíamos que o ano de 2013 manteria no seu léxico as palavras “crise” e “austeridade”, permanecendo a dúvida e divergindo a doutrina quanto à introdução ou não da palavra “recuperação” na economia e no país real. Findo o ano de 2013, é altura de fazer um balanço.

 

Bem sei que não é politicamente correcto falarmos do que de bom colectivamente alcançámos em 2013, de tão habituados que estamos à dialéctica de comiseração dos responsáveis políticos, esquecendo-se que antes dos partidos que os elegeram estão as pessoas que representam.

 

Furando assim o discurso dominante, atrevo-me a destacar alguns dados que nos devem encher de orgulho e esperança para o ano que se avizinha. Por um lado, depois do desemprego ter atingido níveis socialmente alarmantes, assistimos à sua descida, tal como ao maior crescimento da taxa de emprego na Europa. Ao fim de 10 trimestres consecutivos, a economia saiu finalmente da recessão técnica, tendo as contas externas voltado a terreno positivo, com importante contributo das exportações e do turismo. Esta espiral positiva justifica, aliás, que o número de empresas em processo de insolvência tenha descido pela primeira vez desde 2008 e que este mês de Dezembro esteja a registar um aumento do consumo das famílias portuguesas face a 2012. Ao que já referi, acrescente-se a previsão do Banco de Portugal para 2014 de crescimento igual a 0,8%, acima dos 0,3% previstos no Verão.

 

Por tudo isto, acredito que o ano de 2014 será de retoma. Mas não julguem que pretendi destacar os feitos do Governo: se o fizesse estaria a cair no mesmo erro em que caem todos os responsáveis políticos que desconsideram os dados positivos da economia, temendo que estes beneficiem o partido A ou B. Esquecem-se que os grandes responsáveis por chegarmos até aqui, com motivos para nos orgulharmos, são os Portugueses.

 

Artigo publicado na edição do Jornal de Leiria de 27 de Dezembro



publicado por Margarida Balseiro Lopes às 12:38
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Consenso dos géneros

Ainda o tema da praxe

“A César o que é de César...

Reforma, do quê?!

Globalização

A Cacatua Verde

Direito a envelhecer com ...

A Música dos Deolinda

Coisas da infância

Poemas da minha vida (II)

Poemas da minha vida (I)

Moleskine

Natal

A fenomenal Mariza a marc...

A minha intervenção - 25 ...

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Fevereiro 2012

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

tags

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds