"A vitória brilhará àquele que tímido ouse". Agostinho da Silva
Segunda-feira, 9 de Fevereiro de 2009
Homossexualizar a informação local

Mais de três décadas depois do 25 de Abril, não é dispiciendo fazer um primeiro balanço sobre a evolução da Imprensa Regional, em especial a que se tem publicado na Marinha Grande.

Um balanço necessariamente sumário, como antecâmara de um debate mais aprofundado que, porventura, nunca chegará a ser feito.
Se há “defeito” que possa ser diagnosticado no “modus vivendi” da capital vidreira, a incapacidade de reflectir sobre si própria não é, seguramente, o menor desses defeitos e reflectir sobre a história recente dos jornais locais não é exercício isento de riscos e que muitos queiram fazer, antes pelo contrário...
Aqueles que, como eu, olharam para o poder local com um misto de entusiasmo e apego à causa pública, foram ingénuos e não tardaram a compreender a responsabilidade dos orgãos de comunicação social locais no acompanhamento, controlo e denúncia do exercício de um poder que cedo deu mostras de ficar prisioneiro de interesses de caciques locais ou de corporações políticas, os quais nada tinham a ver com o interesse público. Antes pelo contrário, foram ficando cada vez mais prisioneiros desses interesses.
Neste contexto, a existência de jornais (e, mais tarde, também rádios) atentos e interventivos era condição essencial para que o poder local se sentisse observado e exposto perante aqueles que o iriam eleger – os eleitores. A qualidade da democracia local, o sentido crítico e vigilante desses eleitores tinha como pressuposto a existência de imprensa local capaz de cumprir a sua indeclinável função de guarda avançada da democracia e das suas instituições locais.
Compreendendo esse papel que estava reservado aos “media” locais, depressa os pontas de lança dos interesses políticos e económicos de muitos concelhos cerraram fileiras e apostaram na influência que o controlo desses “media” lhes iria permitir. Nuns casos, apostaram em orgãos de informação ja existentes, controlando-os, noutros seguiram uma estratégia um pouco mais inteligente – criaram os seus próprios orgão de informação (melhor, de propaganda), sob a forma de novos títulos ou de boletins municipais que o dinheiro dos contribuintes ia pagando. Em casos mais refinados e quando a publicidade municipal era fundamental à sobrevivência dos jornais, bastava orientar essa publicidade para orgão de informação que se prestassem a servir a auto-lisonja com que o poder tão bem convive.
Num e noutro caso, o propósito era o mesmo – impedir a existência de orgãos de comunicação isentos e dignificados, mesmo que à custa da subserviência e da mediocridade informativa para que, fatalmente, se caminharia.
Toda esta realidade passou pela Marinha Grande e serviu para, porfiadamente, alimentar uma espécie de “letargia revolucionária” que ia iludindo o eleitorado, tornando-o amorfo e sem sentido crítico.
Hoje, a Marinha Grande é um concelho sem projecto de futuro e sem capacidade de afirmação no contexto regional e nacional. É, também, uma terra com gritantes assimetrias sociais e económicas, refúgio de “vícios” e “chagas” sociais que já deviam ter merecido a reflexão e medidas de intervenção firme que as pudessem minimizar.
Em vez dessa reflexão, o que emerge é a indiferença e a incapacidade, mesmo quando a miséria humana é exposta com crueza como tão amiúde a encontramos nas ruas e avenidas da cidade.
Mas que importa esta preocupante realidade, se dela se alimentam interesses pessoais e de grupo que floresceram – e continuam a florescer - à custa do controlo dos “media” locais? Interesses que só na aparência se podem confundir com o interesse público já que, na verdade, é o interesse público que lhes está subordinado. Incluindo a comunicação social, esse quarto poder que se deixou homossexualizar numa estranha orgia de poder, por entre ruidosos silêncios de que uns poucos tiram prazer e muitos mais alimentam num foguetório ideológico feito de mediocridade e chavões já em desuso.
E porque a realidade merece que sobre ela reflictamos mais aprofundamente, não se esgotando num único artigo de análise e opinião, brevemente aqui estarei a escrever sobre o mesmo assunto.
 
Até breve,
 
Fernando Lopes


publicado por Margarida Balseiro Lopes às 23:30
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Consenso dos géneros

Ainda o tema da praxe

“A César o que é de César...

Reforma, do quê?!

Globalização

A Cacatua Verde

Direito a envelhecer com ...

A Música dos Deolinda

Coisas da infância

Poemas da minha vida (II)

Poemas da minha vida (I)

Moleskine

Natal

A fenomenal Mariza a marc...

A minha intervenção - 25 ...

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Fevereiro 2012

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

tags

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds